quarta-feira, 22 de agosto de 2012

4 meses de culpa


Me disseram que eu nao iria mais ter a parte cognitiva do cerebro, mas eu disse: nao vou desistir.
Minha avó com quem sempre morei pois a filha dela infelizmente não aceita ser minha mãe, acreditava em mim. E amanha fará 4 meses desde que ela me deixou. Os medicos diziam que ela estava sofrendo muito, mas lutando. e claro que a familia sabia que era por minha causa. Não me deixavam ficar com ela no hospital, até que minha mãe biologica, unica filha dela, e minhas duas irmas biologicas, cansaram. e quando eu cheguei ela chorou de felicidade e disse: Nandinha, voce não vai me amarrar não, né? Fiquei surpresa e disse que jamais faria isso. se alguma enfermeira fez... entao eu vi os braços dela tao roxos que não havia veia de acesso. Ela me disse que minha mae e minhas irmas amarravam ela...
Desculpe. Eu toquei nesse assunto porque eu tambem era a unica que rezava com ela. e ela dormia enquanto eu rezava. Ela gostava muito de Mateus. As vezes eu ficava em pé, a vendo dormir, e ela abria os olhos e perguntava: porque voce ta parada ai? Eu dizia que estava rezando. Ela: mas voce reza sentada! e de hora em hora ela me chamava e pedia pra eu ler baixinho pra ela. só pude ficar 2 dias com ela. uma tarde na ambulancia (escondida), e nos ultimos dois dias nao me deixavam visita-la porque estava na UTI e tinham "prioridade". Na ambulancia, a ultima vez que ela conversou lucida, eu sentei no lugar do enfermeiro, ela tirou a mascara e disse: Nandinha você é o maior tesouro da minha vida. Eu respondi: Vó sem voce eu nao tenho historia. porque só voce conhece minha historia de vida. minha vida foi feita pra voce, vó. Ela tirou de novo a mascara: -voce acredita que eu vou sair daqui? Eu: Claro!! minha fé é inabalável. Ela ficou serena por um minuto e falou: EU TAMBEM! EU VOU SAIR DAQUI PORQUE A GENTE PRECISA UMA DA OUTRA PRA VIVER. EU SABIA QUE VOCE SERIA A UNICA QUE ACREDITA(VA) QUE EU VOU SAIR!
Então segunda, depois que toda familia volto a viver, voltaram pra recife, me ligaram e disseram pra eu ir, que minha avó tava no quarto. eu vibrei muito. eu gritava: eu sabia. eu sempre disse! Entao fui, e passamos um pouco mais de uma hora juntas. Eu estava passando as mãos no cabelo dela, e deixei ela partir. Eu segurei  sua cabeça: VOLTA VÓ, VOLTA PRA MIM, e ela me olhou e fechou os olhos. Entao entraram os medicos, mas eu abri os olhos dela antes de sair do quarto e suas pupilas estavam dilatas. Não havia mais nada pra fazer. Era tarde demais. "a familha me questionou": voce ja estudou, voce trabalha num hospital como voluntaria, voce sabia o que fazer, sabia tentar reanima-la enquanto os médicos chegavam, voce é acostumadas com pacientes terminais, porque voce ao ve-la nao mandou levarem de volta pra UTI?
É uma pergunta que eu me faço. Assim como eu acredito que ela virou um raio de sol. Deus fez dela um raio de sol, porque eu posso até nao ver, mas todos os dias ela vem e vai... todos os dias eu digo: bom-dia, vó. todos os dias. as vezes eu digo: eita mas nem me acordou, perdi a hora. as vezes escovando os dentes eu vou pra janela e digo: eita vó, desculpa. esqueci de dar bom dia. Tem dias que eu pego a xicara de cafe: eu amo minha bisa, que meu filho deu, e sento no sofá: vó, ta tao bonita hoje. vou ficar aqui um pouquinho com voce. De alguma forma Deus sabia. Há tempos eu fazia yoga quando acordava e sempre a mesma posição: surya namaskar. Quer dizer: Dar bom-dia ao sol!
Entre tentativas de despejo, interdição, e agora simplesmente me excluiram, a filha dela e suas filhas esperam meu passo de fraqueza. não ter dinheiro nem pra comer. até pedir clemencia. mas sempre que eu choro e peço ajuda pra minha avó, ela ajuda. e minha psiquiatra que me acompanha há 10 anos me disse semana passada: nunca carregue essa culpa. voce foi muito humana. Nem alguns medicos conseguem. voce deu a ela, provavelmente a coisa que ela mais pediu a Deus: morrer nos seus braços. sem mais ninguem. apenas voce. morrer perto de quem ela mais amava. e voce acabou com sofrimento dela, sem pensar na sua dor. agora, transforme isso em força!  nao mude. voce é a paciente mais guerreira que eu tenho. continue sendo a mulher autrista que ela reclamava, e forte que ela admirava.
Então me desculpem, nao vou desistir. e vou repetir esse final da nossa história pra todo mundo. porque minha avó merece ser reconhecida.
Ela nunca fez mal à um passarinho, mas eu fiz muito mal a ela. Quando começou a adoecer, eu fiquei tres dias acordada sem sair de perto da cama dela, lembram? eu escrevi o quanto estava exausta fisicamente. Quando a Lia chegou pra tomar conta dela, eu dormi e me fechei durante uns dois dias. eu me permiti. entao a Lia me contou: Sabe Nanda, sua avó tava com tanta pressa que eu chegasse porque vc domingo abaixou e caiu de sono, fraca, mas nao estava abatida. E quando nós passamos pelo seu quarto e sua avó te viu dormindo ela me disse: A MINHA NETA... NINGUEM DA FAMILIA DELA NUNCA ENXERGARAM O QUE ELA É. DURANTE 72 HORAS, ELA FICOU SENTADA AO LADO DA MINHA CAMA, NO CHÃO, IGUAL UM CACHORRINHO. NAO RECLAMOU E NEM FEZ CARA FEIA. SERENA, BOA MEDICA ELA DEVE SER, COMEMORAVA MUITO CADA VEZ QUE EU ACORDAVA E PEDIA AGUA. ESSA É A NANDINHA. ELA TEM UM CORAÇAO TAO BOM QUE É IMPOSSIVEL ACREDITAR SE NAO CONVIVER COM ELA. MINHA NANDINHA.
e eu lhe fiz sofrer tanto, que nao passou pela minha cabeça naquelas horas, que eu vou sofrer o resto da minha vida.

Um comentário:

Vanessa Araújo disse...

Sempre leio seu blog, ele me ajuda muito. Também não tenho apoio da família, sei como é. Eles fazem o que podem pra me humilhar e rir da minha situação.
Por favor, nunca pare de escrever. Saiba que tem gente que te lê e até te vê como aquela amiga que dá conselhos.
Bjos!